Buscar
  • Aero Latina

National Museum of the USAF - Visitamos o Museu Nacional da Força Aérea Americana


"Após extensa pandemia, chegou a hora de começar a realizar as pendências na lista de desejos? Ainda nos tempos de clausura, planejei uma viagem, sem saber ao certo se realmente seria possível a realização desses desejos. disse: Luiz Otávio Maia Jr"

Com a abertura dos shows internacionais na aviação, a SUN´n FUN 2022 confirmada, conciliei dois eventos que seriam realizados em datas próximas e nesse meio tempo, entre um evento e outro, a logística foi bem estudada para conseguir visitar o Museu Nacional da Força Aérea Americana, localizado na Base Aérea de Wright Patterson, próximo a cidade de Dayton, no estado de Ohio.


O museu possui uma das maiores coleções de aeronaves militares do mundo, senão a maior. Um local onde a empolgação em ver aeronaves que fizeram parte da história da aviação e que apenas podemos ver em livros que ilustram nosso imaginário.

Cinco Hangares tomam fazem parte do imenso complexo, cada qual abordando um tema da história e suas aeronaves relacionadas, além de uma área externa com outras aeronaves, como o gigante C-17, um avião cargueiro que é empregado em milhares de missões ao redor do mundo.

A exibição externa ainda conta com F-15, C-130, EC-135, A-10, F-104 e aviões que até hoje estão em operações, com suas versões mais recentes em muitas forças aéreas ao redor do mundo.


Boeing C-17 Globemaster III


Este C-17, sob a matricula "70025", é um protótipo e fez seu primeiro voo em 15 de setembro de 1991, voando de Long Beach para Edwards AFB, CA. Depois de concluir o programa de testes para o Globemaster III, se tornou um banco de testes para a USAF, NASA e outras agências de testes de voo. Este C-17 foi aposentado em 2011. Hoje está no Museu Nacional da USAF para exibição.


Boeing EC-135E ARIA


O Boeing C-135 Stratolifter, foi transformada em aeronaves de instrumentação Apollo/Range (A/RIA). Equipado com uma antena parabólica dirigível de sete pés em seu distintivo "Droop Snoot" ou "Snoopy Nose", tornou-se operacional em janeiro de 1968. Manteve-se operacional A/RIA até o final do programa Apollo em 1972, quando a USAF o renomeou para Advanced Range Instrumentation Aircraft (ARIA). O último EC-135E (número de série 60-374, apelidado de Ave de Rapina) foi entregue ao Museu Nacional da Força Aérea dos Estados Unidos em 3 de novembro de 2000.


McDonnell Douglas F-15 Streak Eagle


Caça bimotor de superioridade aérea para todos os climas. O F-15 Streak Eagle voou pela primeira vez em julho de 1972, o Eagle entrou no inventário da USAF em novembro de 1974. Foi o primeiro caça dos EUA a ter um empuxo do motor maior que o peso normal da aeronave, permitindo que ele acelerasse durante uma subida vertical. O Eagle foi produzido em versões de um e dois lugares.


O F15A do museu, apelidado de "Streak Eagle", quebrou oito recordes mundiais, entre 16 de janeiro e 1º de fevereiro de 1975. O último recorde estabelecido dos oito, atingiu uma altitude de 98.425 pés em apenas 3,28 minutos desde a liberação do freio de decolagem, para quase 103.000 pés antes de iniciar sua descida. Voado apenas no acabamento de metal para reduzir o peso para os voos recordes.


Nota: Esta aeronave está atualmente em armazenamento.


Lockheed F-104C (Caça estelar)


O projeto do F-104 começou em 1952, e o primeiro XF-104 fez seu voo inicial em 1954. Em 18 de maio de 1958, um F-104A estabeleceu o recorde mundial de velocidade de 2.259 km/h e em 14 de dezembro de 1959, um F-104C estabeleceu o recorde mundial de altitude de 103.395 pés. O Starfighter foi a primeira aeronave a deter simultaneamente recordes mundiais oficiais de velocidade, altitude e tempo de subida, mais de 1.700 unidades do F-104 foram construídos nos Estados Unidos e no exterior sob o programa de ajuda militar para várias nações, incluindo Canadá, Alemanha Ocidental, Itália, Noruega, Holanda, Bélgica, Dinamarca, Grécia, Turquia, Espanha, Taiwan e Japão.


A aeronave em exibição serviu com a USAF na Califórnia, Alemanha Ocidental, Espanha, Taiwan, Vietnã e Tailândia. Também foi pilotado pelo piloto vencedor da competição "William Tell" Fighter Weapons Meet de 1962 da USAF. Foi levado para o museu em agosto de 1975.


Na parte interna, os hangares são divididos em galeria dos primeiros anos da aviação, segunda guerra mundial, guerra do sudeste asiático, simuladores da força aérea, guerra fria, mísseis e por último a galeria das aeronaves presidenciais. Além de todas as galerias, ainda pode visitar o teatro para assistir os filmes (veja os horários dos mesmos antecipadamente), a loja do museu e fazer uma refeição no Valkyrie Café.


North American XB-70 Valkyrie


O futurista XB-70A foi originalmente concebido na década de 1950 como um bombardeiro de ataque nuclear de alta altitude que poderia voar a Mach 3 (três vezes a velocidade do som) - qualquer inimigo em potencial seria incapaz de se defender contra tal bombardeiro.

No início da década de 1960, no entanto, novos mísseis superfície-ar (SAMs) ameaçavam a capacidade de sobrevivência de bombardeiros de alta velocidade e alta altitude. Os ICBMs (Mísseis Balísticos Intercontinentais) menos caros e armas nucleares, também estavam entrando em serviço. Como resultado, em 1961, o caro programa de bombardeiros B-70 foi cancelado antes que qualquer Valkyrie fosse concluída ou voada.


Mesmo assim, a USAF comprou dois XB-70As para testar aerodinâmica, propulsão e outras características de grandes aeronaves supersônicas. O primeiro XB-70A, em exibição, voou em setembro de 1964 e alcançou o voo Mach 3 em outubro de 1965. O segundo Valkyrie voou pela primeira vez em julho de 1965, mas em junho de 1966 foi destruído após uma colisão acidental no ar.

O museu está animado para reabrir, nossa principal prioridade é a saúde e a segurança de nossos visitantes e de toda a nossa família. Portanto, desenvolvemos cuidadosamente as diretrizes de reabertura seguindo as recomendações do Centro de Controle de Doenças (CDC), da Base Aérea de Wright-Patterson, do Estado de Ohio, de especialistas locais em saúde e instituições semelhantes em todo o país.


Para alcançar os mais altos padrões de saúde pública, os procedimentos de limpeza foram aprimorados em todo o museu, incluindo uma maior frequência na desinfecção de áreas e superfícies de alto tráfego. Estações de desinfetante para as mãos estão agora disponíveis em cada galeria e nova sinalização direcional também está em vigor. Além disso, protetores de espirro de plexiglass foram instalados em todas as estações de caixa no Valkyrie Café, Loja do Museu, Teatro do Museu da Força Aérea e passeios de simulador.

Esta visita ao museu é para ficar marcado eternamente na memória e a nossa recomendação a todos que visitem o Museu com a certeza de ficarem deslumbrados com tal grandiosidade do local e por tudo que compõe o seu acervo.


Recomendamos dividir a visita desse museu em dois dias é tão grande que não terá muito tempo para ler tudo que existe de história escrita e visual.


Se ficar alguma dúvida, visite o site (https://www.nationalmuseum.af.mil), lá você encontra o endereço e tudo que precisará saber para sua futura ida ao museu.


Texto: Luiz Otávio Maia Jr

Adaptação e Revisão: André Manhani

Pesquisa sobre as aeronaves: www.airhistory.net/


Galeria de Imagens:


289 visualizações0 comentário