Buscar
  • Aero Latina

Esquadrão Árion tem seu primeiro Cadete a voar solo na aeronave T-25 Universal


"Voo solo é um dos momentos mais marcantes na vida do piloto militar."

Aconteceu na Academia da Força Aérea (AFA), localizada em Pirassununga (SP), o voo solo inaugural da Turma Árion do 1º Esquadrão do Corpo de Cadetes da Aeronáutica (CCAer). A bordo da aeronave T-25 Universal matrícula FAB 1944, no 2° Esquadrão de Instrução Aérea (2º EIA), o Cadete Aviador Matheus Alexandre Querino Pereira, da Esquadrilha Centaurus, cumpriu uma rotina de exercícios previstos para o voo solo e, assim, destacou-se em ser o primeiro Cadete da turma a alcançar esta importante marca na carreira do piloto militar da Aeronáutica.


O Cadete Matheus recebeu o cachecol do Brigadeiro do Ar Marcelo Gobett Cardoso, Comandante da AFA, que realizou seu voo de cheque horas antes.


Segundo o Comandante do 2º EIA, Major Aviador Augusto Saciloto Cavichiolli, o voo solo não significa somente o fim do Curso Primário de uma fase da formação do Cadete Aviador. Para que um voo solo aconteça, existe um árduo caminho percorrido, uma trilha de dedicação, de abnegação e de projeção de sonhos. O envolvimento total do 2º EIA é fundamental neste processo para que um jovem que teve o contato com a atividade aérea há poucos meses possa conduzir em segurança uma aeronave sem a presença do Instrutor de Voo.


“Tornar-se Aviador na Força Aérea Brasileira [FAB] é compor uma equipe com alto grau de profissionalismo e de amor à Pátria. É o fruto da labuta diuturna de diversos setores que trabalham de modo silencioso para que a missão seja cumprida, ainda que diante das mais diversas adversidades que possam surgir. Assim, o cachecol ostentado pelo Cadete Aviador representa o espírito dos guerreiros da FAB, daquele que um dia estará nos céus garantindo a soberania do nosso País por meio do domínio do espaço aéreo”, explicou o Comandante do 2º EIA.


Já o Cadete Aviador Matheus falou dos sentimentos que estão envolvidos neste momento único na vida de um piloto: “Acredito que para os aviadores militares, não há melhor sensação do que cumprir a missão que nos foi designada. O voo solo remete a toda responsabilidade que temos que adquirir nos anos de formação para chegar até esse momento. As horas de estudo, os exercícios doutrinários e o tempo de sono muitas vezes escasso valem a pena para se viver esse momento. Ostentar o cachecol é motivo de orgulho, e toda vez que o vestimos lembramos o motivo pelo qual estamos aqui e qual é a nossa atividade fim. O término da fase de pré-solo reforça o pensamento de que tudo valeu a pena!”, frisou.



Fonte: SCS AFA, por Tenente Inforzatto

Edição: Agência Força Aérea - Revisão: Major Oliveira Lima

Fotos: Soldado João Oliveira

511 visualizações0 comentário